Artigo: O CAMINHO PARA A PIEDADE

27 jun by Irmãos em Contagem

Artigo: O CAMINHO PARA A PIEDADE

Por Luiz Fontes

“Conhecer a Cristo, Ganhar a Cristo e Ser Achado em Cristo”

Das quinze ocorrências da palavra eusebéia (“piedade”) no Novo Testamento, nove se encontram nestas duas cartas a Timóteo (1 Tm 2.2; 3.16; 4.7,8; 6.3,5,6; 2 Tm 3.5). Lendo cada um destes textos, podemos perceber com cristalina nitidez que este termo é um grande conceito especialmente em 1ª Timóteo.
O sentido básico é de temor, reverência e amor a Deus. Na linguagem neotestamentária é uma Theosebeia com uso exclusivo no relacionamento com Deus, porque no contexto secular do mundo antigo expressava a reverência que se tinha as autoridades e aos pais. É importante atentar ao caráter pessoal que Paulo dá a esta palavra, porque ás vezes, os escritores dão a ela um sentido mais formal para descrever religião.

Na Epístola aos Filipenses capítulo 3 e os versículos 8 e 9 podemos encontramos três frases que nos ensinam o verdadeiro sentido daquilo que espiritualmente significa Piedade:
“Sim, deveras considero tudo como perda, por causa da sublimidade do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; por amor do qual perdi todas as coisas e as considero como refugo, para ganhar a Cristo e ser achado nele…”.
Encontramos aqui três princípios fundamentais para desenvolvermos a vida cristã Piedosa:
– Conhecer a Cristo
– Ganhar a Cristo
– Ser achado em Cristo
Creio firmemente que nunca poderemos viver realmente a vida cristã, se ignorarmos estes princípios.

A primeira verdade que desejo ressaltar é que aqui, o apóstolo não esta descrevendo somente o que caracterizava sua vida, mas também a o que deve ser característico a todos nós. Estes três pilares, me permita colocar assim, caracterizam toda nossa vida cristã. Nada pode ser peculiar a nossa vida espiritual que não sejam estes três fundamentos: conhecer, ganhar e ser achado em Cristo. É de vital importância para nossa saúde espiritual que compreendamos este ponto. Poderíamos destacar a Oração e a Palavra como princípios essenciais para uma vida piedosa; porém, a Oração e a Palavra não terá efeito nenhum se nós não atentarmos decididamente a compreender o que significa em nosso viver diário estes três fundamentos.

O segundo ponto que desejo colocar é que a vida cristã tem como base o relacionamento com a Pessoa de Cristo. Conhecer Cristo é a base da vida cristã. A vida espiritual de Paulo começou quando no caminho de Damasco Ele conheceu esta bendita Pessoa. Ele perguntou: “Quem és tu Senhor” – (At 6.5), e a resposta foi: “Eu sou Jesus, a quem tu persegues”. Sem o conhecimento de Cristo não há vida cristã.

Toda experiência espiritual que desejarmos ter deve ser derivada do conhecimento desta bendita Pessoa. A pergunta que devemos fazer a nós mesmos é: o conhecimento de Cristo e nossa experiência com Ele, nos fez perder todas as coisas?

Será que existe algo em minha vida que impede que eu ganhe completamente a Cristo? Não se esqueça que a nossa maior necessidade é conhecer a Cristo! Este conhecimento não é puramente um conhecimento teológico religioso, e sim um conhecimento experimental. Um conhecimento baseado na experiência.

Há ainda um terceiro ponto que quero compartilhar com você a partir da leitura destes textos. O conhecimento de Cristo é uma experiência ascencional. No capítulo 3 de Filipenses, o apóstolo Paulo diz:

“prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus” – (v.14).

Que passagem tremenda! Preste atenção na palavra “prossigo”, porque este é um termo muito rico usado por Paulo aqui. A tradução desta palavra nos dá duas ideias interessantes: 1ª)“procurar ansiosamente”; 2ª) “esforçar-se com todo o empenho para adquirir”. Estas duas descrições nos mostram que se Cristo é nossa busca constante, há em nós uma ansiedade continua de conhecê-Lo mais, e, portanto, não hesitaremos, e persistiremos em alcançá-Lo cada dia mais e mais para nosso inteiro desfrute.

Ainda, quero que você note a parte “b” do versículo 12, porque ai está uma extraordinária base contextual, que lançará mais luz sobre o versículo 14:
“… mas prossigo para conquistar aquilo para o que também fui conquistado por Cristo Jesus”.

Gosto muito como Eugene Peterson na Versão da Bíblia, a Mensagem, descreve essa parte: “prossigo para Cristo, que me alcançou de uma forma impressionante”. Uma forma impressionante, é como podemos descrever o sentido desta expressão: “prossigo”.

Prosseguindo, Paulo diz:
“… alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus”.

O “Alvo” é o “prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus”. Que “prêmio” é este? Se estudarmos os versículos 4 a 10 deste capítulo 4 da epístola aos Filipenses, poderemos ver que o que Paulo persistia com todo empenho era ganhar a Cristo e ser achado Nele. Esta era a vocação ascencional. Um argumento muito forte para esse pensamento está na palavra “soberana”. O termo no original é ano que nos fala das “coisas do alto”, ou “ascensional”. Colossenses 3 e os versículos 1 e 2 podemos encontrar essa palavra:

“Portanto, se fostes ressuscitados juntamente com Cristo, buscai as coisas lá do alto, onde Cristo vive, assentado à direita de Deus. Pensai nas coisas lá do alto, não nas que são aqui da terra”.

Ai está algo precioso que ilustra o que é a piedade em seu sentido espiritual. Piedade tem a ver com a vida cristã em um plano mais elevado; não é meramente uma experiência religiosa; segundo o ensino do Novo Testamento é muito mais que isso. Tem a ver com um viver relacional com a Pessoa do Filho de Deus.